E agora? Como administrar a locação em tempo de COVID-19?

Desde que a pandemia se estabeleceu no Brasil que aos poucos se começou a discutir como ficará o mercado de locação e administração de imóveis em nosso país.

Um grande desafio para esse segmento de mercado. Não existe uma solução pronta. Cada locatário e cada locador tem a sua verdade, precisamos encontrar uma solução para cada contrato, para cada situação que de repente saiu da expectativa de todos. Estamos sem nem uma previsibilidade.

Agora é hora de estudarmos os nossos contratos em busca de respostas, ouvir locadores e locatários, argumentar com eles para que possamos juntos negociar uma saída temporária para todos. Obviamente não existe uma solução que venha agradar a todos. Mas necessitamos construir uma solução equilibrada, fruto de uma engenharia de negociação nunca antes praticada em tão grande escala em nossas carteiras de clientes.

Em 01 de Abril surgiu uma iniciativa no Senado Federal um PROJETO DE LEI Nº 1179 de 2020 de autoria do Senador Antonio Anastasia do PSDB de Minas Gerais em que busca organizar essa situação.

De repente, uma grande polêmica se estabelece. O Artigo 10 do projeto que está sendo apresentado gera revolta e indignação de muitos. Vejamos o que diz:

Art. 10.

Os locatários residenciais que sofrerem alteração econômico-financeira, decorrente de demissão, redução de carga horária ou diminuição de remuneração, poderão suspender, total ou parcialmente, o pagamento dos alugueres vencíveis a partir de 20 de março de 2020 até 30 de outubro de 2020.

§ 1° Na hipótese de exercício da suspensão do pagamento de que trata o caput, os alugueres vencidos deverão ser pagos parceladamente, a partir de 30 de outubro de 2020, na data do vencimento, somando-se à prestação dos alugueres vincendos o percentual mensal de 20% dos alugueres vencidos.

§ 2° Os locatários deverão comunicar aos locadores o exercício da suspensão previsto no caput.

§ 3º A comunicação prevista no § 2º poderá ser realizada por qualquer ato que possa ser objeto de prova lícita.

Diante desta tempestade de eventos que acontece no mundo atual, em que as dúvidas da globalidade da economia que agora traz instabilidade a todo ser humano de qualquer seguimento ou classe social. Como não poderia deixar de ser, deixa claro que nós do mercado imobiliário precisamos nos reinventar para sobreviver.

O modelo pelo qual o Mercado Imobiliário brasileiro trabalha a praticamente 50 anos está esgotado. A hora de construir o nosso futuro é hoje, agora!